Capadócia um destino desenhado no mistério e exotismo - VIATURISTA Capadócia um destino desenhado no mistério e exotismo - VIATURISTA
Capadócia um destino desenhado no mistério e exotismo

Capadócia um destino desenhado no mistério e exotismo

76

A região da Capadócia na Turquia, guarda mistérios milenares, encerrados nas cidades escavadas nas formações rochosas de antigos vulcões e do misticismo da idade do gelo, é um museu a céu aberto, no centro da antiquíssima Anatólia, classificada Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Conhecida pelos balões multicoloridos de ar quente, que percorrem os céus para exibir o território em toda a sua plenitude, um dos cartazes promotores da região, que se completa com a diversidade museológica, riqueza paisagística, hábitos e costumes herdados, focados na oferta de estadias seguras e gratificantes.

Habitada desde a Idade do Bronze, a região da Capadócia, que guarda vestígios assírios, foi moldada no tempo por hattis, hittites, frigios, persas, romanos, bizantinos, selyucides e otomanos, povos que deixaram vestígios da sua presença, do exotismo e mistérios civilizacionais, que marcaram aquela importante encruzilhada.

Para se protegerem das sucessivas invasões e perseguições, os habitantes da região passavam a viver em covas e grutas dissimuladas na montanha, o que acontecia muitas vezes por longos períodos de tempo, dando origem a que essas cavernas se ligassem entre si, criando autênticas aldeias no subterrâneo, organizadas com locais de culto, nascentes, sítios para armazenar água, alimentos e animais, cidades cujo período de construção, se perde no tempo.

A arte e arquitetura estão bem presentes nos recantos que surpreendem o visitante que percorre cenários naturais e deslumbrantes, verdadeiras relíquias históricas, túneis labirínticos, naves simples, duplas ou triplas, plantas cruciformes, corredores, cúpulas e colunas, que são encontrados nas igrejas e espaços habitacionais em vários planos, escavados na rocha e decorados com frescos pintados.

Vale a experiência, quando se dispõe de alguns dias, para percorrer a região, as várias cidades ou vilas, em estilo aventura ou acompanhados por guias e meios, que se encontram disponíveis, por preços médios e comparáveis a outras latitudes, conhecedores dos espaços museológicos, mas também das melhores adegas subterrâneas, porque estamos numa região produtora de bons vinhos.

A ideia de visitar a Capadócia em um ou dois dias, é pobre, resume-se a alguns circuitos programados, com horários apertados, muitas vezes sem tempo para se fotografar e admirar contemplativamente, o riquíssimo inventário que encanta conhecedores de arte e história e surpreende os mais desprevenidos.

Para chegar à região da Capadócia, a partir de Istambul por exemplo, a melhor opção é o avião, numa viagem com a duração de uma hora, uma hora e quinze, para os aeroportos regionais de Nevsehir e Kayseri, segue-se a opção do combóio até Ankara, quatro horas, com ligação terrestre para a região, mais quatro horas, mas também se pode viajar por via terrestre, cerca de 700 km, entre 12 a 15 horas, para chegar à região.

Para reservar alojamento, depende do budget de cada um, mas existe oferta para as mais diversas bolsas, desde “hotéis caverna” com várias estrelas, até hotéis e alojamentos mais simples que se podem encontrar facilmente no Booking ou no TripAdvisor, a oferta normalmente é gratificada com vistas imperdíveis.

Convém fazer alguma pesquisa na internet, para se avaliar não só a oferta de alojamento, mas também gastronómica, de sítios e meios, sendo desde logo aconselhável os blogs de viagem, de autores que descrevem as suas próprias experiências, evitando as descrições patrocinadas, que nem sempre correspondem à realidade.

Com uma economia local muito beneficiada pelo turismo internacional, a região da Capadócia é habitada por gente que sabe receber, consciente que só a melhor oferta promove a região, daí não ser surpresa, a forma como se disponibilizam para colaborar na ajuda ao visitante, sem perder a caraterística natural, marcada por hábitos e costumes milenares.

Carlos Santomor

Share this:



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.